DANIEL MILAGRE

A MINHA POESIA - A MINHA VIDA

domingo, 14 de janeiro de 2018

POEMA ESTRELA FLUORESCENTE


ESTRELA FLUORESCENTE

Estrela fluorescente
Brilho sentido, reservado
Infinito, convincente
Eternamente conservado
Aura transparente
Cá da terra acarinhado
Estrela fluorescente
Brilho sentido, reservado
Metafísico, opalescente
Rasgo amado em privado
Olhado com brilho, de adolescente
Olhar para sempre enlevado
Estrela fluorescente
Brilho sentido, reservado

Daniel Costa



quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

POEMA O FLAGELO DA DOENÇA

Foto de Daniel Cordeiro Costa.
Foto de Daniel Cordeiro Costa.

O FLAGELO DA DOENÇA

O flagelo da doença
Aviso da irmã morte
Sem esquecer a sentença
Do céu vem a nossa sorte
Que nos chama à presença
Do céu, o futuro, o estandarte
O flagelo da doença
A encaremos de mente forte
Adiando a eterna licença
 Façamos de baluarte
Mostremos indiferença
Façamos da vida fonte
Avancemos com autoconfiança
Rumo à cura pela mente
O flagelo da doença

Daniel Costa

Exemplo:
- O autor no ano 2000, depois de um AVC – acidente vascular cerebral, com 30 dias de em coma; 15 dias em semi – coma, com operação ao cerebelo, teve alta do hospital de Santa Maria, Lisboa, em estado terminal.
Trazido de ambulância a casa, onde continuou em semi – coma, por cerca de dois meses. Acompanhou um relatório médico, que acima pode ver o parágrafo final. DC.








quinta-feira, 4 de janeiro de 2018

POEMA FLOR DA MINHA PRAÇA

Foto de Daniel Cordeiro Costa.
Foto de Daniel Cordeiro Costa.
Foto de Daniel Cordeiro Costa.

FLOR DA MINHA PRAÇA

Flor da minha Praça,
Flor do meu coração
Gaivota que esvoaça
Em dia de vendaval… vibração
Vinda do Tejo, o céu risca e traça
Transmite recado de inspiração
Em voo de visível graça
De vigoroso amor de floração
Flor da minha Praça,
Flor do meu coração
Observo da vidraça,
Observo o voo com emoção,
Gaivota do amor, tabernáculo e taça,
Espírito de ilustração,
Enquadrado no céu… anjo de raça!
Nuvem iluminada, de ocasião
Flor da minha Praça,
Flor do meu coração…

Daniel Costa